Tuesday, 19 April 2011

O meu treino...ou vencer os meu demónios!

Eu já tinha vos contado que apanhei um susto (de morte) durante um campeonato (nem sei se posso chamar aquilo de campeonato dado que foi apenas uma brincadeira para quem estava a aprender a surfar). Nesse dia, eu não ia competir mas entretanto o meu antigo* instrutor insistiu que eu devia ir porque estavam poucas pessoas na minha bateria (no meu grupo). Vesti o fato à pressa e agarrei na prancha, a entrada no mar estava super difícil, era inverno e portanto o mar estava grande e as ondas vinham de todos os lados. Eu não entrei logo, o moço que estava na mesma bateria que eu era mais novo e por isso quis ajudá-lo primeiro a entrar, quando ele já estava lá dentro, eu entrei e nessa altura correu tudo bem porque ele não fez muitas ondas e eu fiz uma que pelos vistos saiu pontuada.
Na segunda bateria, já éramos mais e como eram todos mais velhos do que eu, foi cada um por sí...mesmo à competição. Estava a correr tudo bem, porque eu não estava a fazer onda nenhuma até que (não faço ideia o que me passou pela cabeça) comecei a remar numa onda enorme e apesar de ver que o pessoal da praia tinha-se levantado todo e pareciam num grande reboliço, continuei a remar...o resultado foi uma queda horrenda mesmo em cima da areia, que é o que nós chamamos de "onda quebra-côco" porque ela forma bem lá atrás mas quebra exactamente em cima da areia e por isso não tens espaço para se as coisas correrem mal e caíres ainda na água. As correntes também não estavam a ajudar e portanto para além de ter batido com as costas na areia, fui arrastada quando a onda recuou e"à maquina de lavar" lá  fui eu;  mas como as ondas não paravam de vir, sempre que conseguia uma fresta e achava que dava p'ra sair, era arrastada de novo e só p'ra completar não tinha prancha porque a cordinha que atamos ao pé para não perder a prancha...arrebentou com a força da onda. Fiquei naquilo tempo suficiente para pensar "eu desisto" e "vou morrer aqui" até que finalmente houve uma aberta e consegui sair, completamente zonza, desnorteada e com uma dor horrivel nos ouvidos, costas e obviamente com falta de ar (ou não seria eu asmática).
Joel Parkinson (a "minha" onda maravilha)

Desde então, se as ondas estão um bocadinho de nada maiores que eu, entro em pânico e acho que não consigo e revivo tudo outra vez. Hoje foi um dia assim, o meu treinador quis que fossemos para o outside (mais p'ro largo, longe da praia) e as coisas complicaram porque cada vez que remava para uma onda e olhava pra baixo, recuava!!! Fiquei com tanta raiva dele, porque ainda por cima eu fiz uma onda sozinha e ele disse-me "só uma, eu quero que faças muitas" em vez de parabenizar aquela que eu fiz e continuou a puxar-me para o outside e só dizia "não olhes p'ra baixo, olha p'ra praia" mas eu simplesmente não conseguia.
E de cada vez que apanhava uma onda e chegava a praia só me apetecia ficar na areia, mas voltava lá p'ra dentro e remava tanto p'ra chegar ao outside e ele nem deixava-me descansar e já queria que eu apanhasse a próxima. Eu sei que ele só queria puxar por mim e que eu fizesse o mesmo e conseguisse vencer o medo, porque na verdade as ondas não estavam nada de especial mas eu fiquei fula com ele, e ainda estou chateada por ele ter-me colocado nessa posição. E no fim da aula ele todo feliz a dizer: "Tu sabes que eu nunca iria colocar-te numa situação que achasse que não conseguirias?!" Eu não respondi porque acho que a situação que ele pôs-me foi um bocadinho demais p'ros meus demónios internos, mas deve ser assim quando o teu treinador é o campeão nacional de surf de nível não-sei-das-quantas e pós-graduado nesta treta.

A verdade é que cheguei a casa às 5 horas e só acordei agora...o quão morta estes "spaguetti arms" (como ele diz) estão.
A ver se amanhã acordo com mais ânimo porque, neste momento, a vontade de voltar a surfar é nula. Vou ver os Surf's Up , talvez ajude :/

* só deixou de ser porque eu mudei de cidade e não pelo acontecido porque na verdade a culpa foi minha.

4 comments:

Pedro said...

que tal é estar viva?!

boas surfadas!

Blair Randall said...

Pedro, bem-vindo :)

é óptimooooooooooooooooo.
adorei o teu texto sobre esta cordinha mágica que nos ata à vida!

Boas surfadas p'ra ti também...e volta sempre

xoxo***

Girl in the Clouds said...

O surf tem destas coisas, o mar mete respeito!! Eu tenho andado aos poucos a vencer o receio!! kiss

Blair Randall said...

Girl in the Clouds, acho que andamos sempre a vencer os nossos receios com respeito...que é o mais importante!

"Ou somos escravos dos nossos medos, ou somos donos da nossa evolução." :)

xoxo*