Tuesday, 31 January 2012

Não se porta bem...é hiperactivo, vamos enfiar-lhe compridos e tá a andar!

Ontem expulsei completamente um dos meus alunos da sala. Normalmente nós não podemos mandar as crianças p'ra fora da sala mas o rapaz bateu em todos os colegas, irritou-me de morte e portanto virei-me para auxiliar e mandei "Este rapaz não entra na minha sala. Não quero saber o que vai fazer com ele mas eu recuso-me a dar-lhe aulas hoje". A auxiliar foi-lhe deixar na sala dos professores até ao toque. Acho que foi a única atitude que podia ter tomado. A turma é difícil e ainda o rapaz decide ficar louco e começar a distribuir socos e pontapés p'ra toda a gente. A mãe diz que o rapaz toma medicação para hiperactividade. A escola diz que ele não toma e que a mãe está a mentir. A professora-titular diz que os pais estão a separar daí a agressividade dele. Eu digo que agora tudo nós desculpamos com hiperactividade e bla bla bla, p'ra mim ele tem falta de educação. Andam os pais muito ocupados com as guerras deles e esquecem-se de ensinar bons modos ao rapaz. E diz a mãe que os professores andam a bater no rapaz. Não que ele não mereça duas palmadas, porque duas palmadas dá saúde e faz crescer mas eu nunca toquei em ninguém e ontem a paciência chegou ao limite. Antes de fazer-lhe alguma para me arrepender foi p'ra rua. Já estou à espera que a mãe apareça a perguntar porque é que o filho foi castigado. A resposta está na ponta da língua.
- Porque os outros pais não andam a deixar os seus filhos na escola para ser saco de pancada do seu filho.

[Os compridos da hiperactividade deixam os miúdos completamente zonzos, cheios de sono...enfim pedrados! Até dá pena ver uma criança tão cheia de energia a ir abaixo com aquela coisa! Os médicos andam a administrar doses para cavalo! P'ra mim seria a última solução.]




8 comments:

Letícia* said...

É sem dúvida a última solução, até porque esses comprimidos só actuam durante algum tempo e são uma droga. Aposta está na educação e infelizmente se há uma criança mais irrequieta o diagnóstico é logo esse. São os pais que têm de mudar de comportamento em relação ao filho.

Beijito*

***

Ju said...

Educar é mesmo muita lixado :/, há situações muito complicadas que nos deixam entre a espada e a parede sem saber o que fazer...Tenta falar com ele, tenta chegar a ele, pelos vistos ele tem mesmo falta de educação e de suporte emocional por parte dos pais, pode ser que encontre em ti uma amiga.. não sei, digo eu. Apesar de saber que por vezes só apetece agarrar nos miúdos e dar.lhes um par de estalos, por vezes eles têm mesmo falta de algum carinho e parte-me o coração imaginar que num futuro próximo essas crianças serão mais uns marginais que andam por ai...

Palco do tempo said...

bem que situação :/

Palavra Já Perdida said...

Porra...acho que fizeste bem, sinceramente.
A mãe precisa é de levar um sopapo na mente pra acordar !!

rosa_chiclet said...

é preciso ter uma paciência de santa, mas agora é só desculpas esfarrapadas, o que as crianças andam mesmo a precisar é de boa educação...

kisses***

mari said...

é preciso muita sorte a dar aulas nessas idades :S
bolas ... **

Blair Randall said...

Letícia, concordo plenamente, no entanto ás vezes o caso é mesmo hiperactividade, algumas vezes. Não estou a dizer que não haja.

sê bem-vinda e volta mais...:)

--------------
Ju, vamos tentar ser amiga do rapaz mas não garanto que ele tira kk um do sério...

-----------------
Palco do tempo, um chá de camomila pra este caso :)

--------------------
Palavra Já Perdida, acho que a mãe precisa mais do que o filho mas diz-se tb que a mãe está em depressão portanto está tudo a descambar naquela familia :(

--------------------
Rosa_chiclet, nem mais...

----------------
mari, sorte, paciência, amor á coisa enfim...

xoxo****

Pics said...

Um dos maiores problemas hoje em dia, que se reflectem nas escolas, é exatamente a falta de educação que os pais dão aos filhos. Dá pena olhar para um homem ou uma mulher serem completamente maltratados por um(a) pirralho/a porque não souberam dar-lhe educação nenhuma.
Mas nunca é tarde para começar.