Saturday, 16 March 2013

Desabafos das 00:00 horas

Gosto de comunicar, gosto de escrever. Que ninguém me leia, ou que toda a gente veja. Não me importo!!! Escrevo o que sinto e nem sempre o que sinto faz sentido no papel. Mas a minha amiga Anne Frank já dizia que "o papel é mais paciente". 
Escrevo com a alma, no calor do momento ou no frio da sentimento, nem todas as vezes saem coisas de artista, de escritora digna de prémios. Meto os pés pelas mãos, enrolo a língua, como palavras e até mesmo frases inteiras. Ajo sem pensar, meto no forward e lá vou eu...atropelando os pensamentos. Os meus vão a mil, descarrilando feito trem e os dedos nem sempre acompanham. Melhor dizendo, nunca acompanham. Metade das palavras ficam por dizer. O meu pensar nem sempre é o mais correcto mas quando penso, normalmente falo, falo antes de pensar na maioria das vezes. Ou então eu até penso, penso duas vezes se devo dizer mas no fim das contas a língua trabalha antes do comando do cérebro e lá vou eu atropelando sentimentos alheios, falando verdades que as pessoas não querem ouvir ou simplesmente não estão preparadas para ouvir naquele preciso momento. E tenho esse defeito de não gostar muito de pessoas, na verdade eu gosto de pessoas só acho que espero demais delas, espero uma perfeição que não existe em viv-alma. Nem em mim. Já me disseram que eu quero demais das pessoas e que nem sempre elas têm esse tanto que eu peço meio exigindo e que acabo por me desiludir. Quero sempre que elas ajam como eu agiria no seu lugar mas como pedir isso, como exigir às pessoas que sejam cópias de mim? Da minha perfeição fingida? Já me disseram que é do signo...Virgem!!! Dizem que as pessoas deste signo costumam criar fasquias altas para as pessoas chegarem ao seu pódio de carácter e que a maioria falha pelo caminho e muitas vezes a falha nem é tão grande, uma falha normal, um erro humano mas nós desse signo ou apenas eu com esse defeito da perfeição achamos que é um erro crasso e que a  amizade ficou pelo caminho. Finjo não julgar as pessoas mas se elas fogem ao padrão do bem e do mal, aquilo que considero correcto do incorrecto lá vou eu feita policial pedir satisfações. Querer mostrar o caminho certo, ou aquele que eu acho que é o certo. Tenho esse medo besta de perder o controlo, de descarrilar o meu trem da perfeição e...quando acontece o acidente e o trem descarrila sinto. Sinto essa dor que chega a ser uma dor física. Ninguém me tocou mas eu sinto, eu sinto esse enjoo na boca do estômago  essa coisa que não me deixa ficar em paz e eu...a menina do riso fácil e das gargalhadas com começo sem fim fica de repente quieta e não quer sair do quarto, não quer ver a luz, não quer comer e tem essa dor física de quem está doente. Fico mesmo doente, com febre, dor de barriga, ânsia de vómito. E então sintomas de qual doença? Eu não tenho nenhuma virose, numa bactéria se instalou. Apenas a apatia!!! O sentimento que falhei comigo mesmo e que afinal não sou perfeita como quero parecer. Que talvez seja egoísta, mimada e antipática. Eu sou antipática, definitivamente sou antipática. Não faço amigos com facilidade, sou boa em fazer conhecidos mas amigos?!!! Não gosto das pessoas, não gosto que me conheçam a fundo nem que eu os conheça a fundo. Quando isso se dá e conheces uma pessoa melhor, no meu caso ela sempre desilude e lá vem o meu pódio abaixo.

2 comments:

Paula Nogueira Guerra said...

Que no fim de tudo sejas sempre tu e só tu, no seu todo ou por partes, és TU!

Um beijo carinhoso xxx

Blair Randall said...

Paula, adorei o conselho :)

xoxo***